07
FEV
2017

Anulação de iniciativa na Biblioteca Municipal José Saramago/Beja  

A Biblioteca José Saramago é um dos ex-libris da cidade de Beja. Reconhecida como uma das melhores bibliotecas do país e um exemplo de funcionamento seguido por muitas outras.

À Biblioteca vai-se para ler livros e jornais, para encontrar amigos e conversar e também para participar em debates e apresentações de livros no seu auditório.

A chave do sucesso desta Biblioteca sempre foi a grande liberdade de acesso aos livros e jornais de que gozam os seus frequentadores, a grande autonomia dos seus responsáveis, defendida sem tréguas, pelo seu primeiro director Figueira Mestre, a simpatia dos seus funcionários e a grande abertura, sem discriminações de qualquer espécie, a todo o tipo de iniciativas, incluindo as de cariz político partidário, levadas a cabo no seu auditório.

Esta sempre foi a regra, nunca quebrada pelos diferentes executivos camarários, que até agora tinham tido responsabilidades na condução política da Câmara Municipal de Beja.

Sem grande alarido, o presente executivo camarário, começou por recusar a realização de iniciativas partidárias, no auditório da biblioteca, dando como alternativa o espaço da Casa da Cultura, espaço esse que, como é sabido, tem muitas limitações e é extremamente desconfortável.

De seguida, o actual executivo camarário, tem vindo a recusar a realização de determinadas iniciativas, sem que se conheçam os fundamentos de tais recusas e sem que os seus promotores tenham dado notícia do sucedido.

Aconteceu contudo, que houve agora, uma entidade que tornou pública a recusa, do actual executivo camarário, da cedência do auditório da Biblioteca, para a realização de uma sua iniciativa

“O Instituto de História Contemporânea (IHC) da Universidade Nova de Lisboa, no âmbito do centenário da revolução russa de Outubro de 1917, em parceria com diversas entidades, entre as quais, a Fundação para a Ciência e Tecnologia e a Direcção Geral do Livro, dos Arquivos e Bibliotecas, lançou um programa de análise e discussão sobre o tema citado às Bibliotecas Públicas. A Biblioteca Municipal de Beja, à semelhança de muitas outras bibliotecas públicas do país, respondeu afirmativamente à proposta, agendando com o IHC as duas actividades constantes do programa, tendo estado a primeira prevista para o dia 3 de Fevereiro. No entanto, no passado, dia 27 de Janeiro, a Biblioteca comunicou ao IHC que o agendado ficava sem efeito porque o executivo camarário não autorizava a iniciativa.”

A Concelhia de Beja do Partido Socialista, denuncia esta prática discriminatória por parte do executivo camarário e exige que sejam tornados públicos os critérios que estão na base da aprovação ou da recusa de uma qualquer iniciativa.

Os Bejenses têm orgulho da sua Biblioteca e da Liberdade que sempre nela se viveu e não permitirão que um qualquer executivo camarário faça censura prévia às iniciativas que nela possam vir a decorrer.

O Secretariado da Concelhia de Beja do Partido Socialista