23
FEV
2015

Moção “Europa em Paz”

Posted By :
Comments : 0

1 – A Europa está, genericamente, em paz há 70 anos. Tem sido um processo longo e penoso.
Os passos seguidos desde o tratado CECA foram, até agora, mais ou menos conseguidos.
Os desígnios de Robert Schuman foram alcançados.
Porém, os tempos mudam. Estamos perante um momento de encruzilhada, numa Europa a 28, com agitações de natureza económica, financeira e social.
A questão geoestratégica e geopolítica ganha novos contornos e reemerge fantasmas de diversidade regional, mormente no respeitante à linha separatória entre o ocidente e o oriente, tornando intangível o objectivo de uma Europa até aos Urais.

O caso ucraniano é paradigmático; território diversificado e independente desde 1991 – que passou por vários domínios – com uma parte ocidental, de herança austríaca e forte ligação económica e cultural à Polónia e uma parte oriental ligada à Rússia. Subsiste questão da República Autónoma da Crimeia, “país central” que é uma mistura de tudo, não reconhecida pela maioria dos membros da ONU que a consideram território ucraniano.
A Ucrânia (que significa fronteira), o maior país do continente europeu, está no centro de um confronto geopolítico entre a Parceria Oriental e a EU. Entrou num conflito armado perigoso que pode ter repercussões inimagináveis. O povo – independentemente do lado em que possa estar – sofre, de novo, privações e desespera.

A Europa teme uma nova guerra de dimensões apocalípticas.

2 – Beja acolhe um número significativo de cidadãos ucranianos que partilham connosco as suas angústias. Procuraram Portugal e o nosso concelho em busca de uma vida melhor mas não escondem a preocupação com os seus familiares e amigos que lá vivem e também com o futuro do país.
Com uma história ancestral que remonta ao século III AC, os bejenses não são insensíveis às questões europeias e do resto do mundo e vêem com grande apreensão a escalada belicista que está a flagelar, de novo, os ucranianos.

Consciente de que a guerra não é solução para coisa nenhuma e que, em momento algum, consiste numa inevitabilidade, a Assembleia Municipal de Beja apela às partes intervenientes no processo que se concentrem no objectivo da paz, fazendo sobressair os valores humanos e a racionalidade das ideias, no respeito pela diversidade.

Se aprovada, esta moção deve ser endereçada:

  1. À representação da EU em Portugal para ser endereçada à CE e ao PE;
  2. À representação da NATO em Portugal;
  3. À embaixada da Rússia;
  4. À embaixada da Ucrânia;
  5. À embaixada dos EUA;
  6. À representação da ONU em Portugal;
  7. À Presidência da República;
  8. À Presidência do Conselho de Ministros;
  9. À Assembleia da República.

O Grupo Socialista na Assembleia Municipal de Beja